A TUTELA DO DIREITO À PRIVACIDADE NA INTERNET

Guilherme Eduardo OLIVEIRA, Cildo GIOLO JÚNIOR

Resumo


Vivemos na era da Internet, que trouxe avanços jamais vistos, todavia acarretou  também prejuízos, sobretudo para a privacidade das pessoas. O desenvolvimento da rede foi responsável pelo surgimento de diversos artifícios para invasão da privacidade, usados para os mais variados fins, destacando-se publicidade e monitoramento estatal, o qual parte da sociedade acredita ser aceitável em nome de uma segurança inatingível, sacrificando um direito fundamental da maioria de boa fé, tentando punir uma minoria mal-intencionada, portanto, só haverá mudanças neste cenário quando as pessoas entenderem a importância de preservar protegida sua privacidade.


Palavras-chave


Internet, Direito à Privacidade, Invasão, Intimidade.

Texto completo:

PDF

Referências


BBC. Entenda o escândalo de uso político de dados que derrubou valor do Facebook e o colocou na mira de autoridades. G1. São Paulo-SP. 2018. Disponível em: . Acesso em: 13 de Junho de 2020.

BEZERRA, Arthur Coelho, WALTS, Igor. Privacidade, Neutralidade E Inimputabilidade Da Internet No Brasil: Avanços E Deficiências No Projeto Do Marco Civil. Revista eletrônica Internacional de Economia Política da Informação da Comunicação e Da Cultura. Florianópolis, v 16, nº 2. 2014. Disponível em:http://repositorio.ibict.br/bitstream/123456789/858/2/Arthur.pdf. Acesso em: 04 de Julho de 2020.

BRANDÃO, André Martins. Interpretação Jurídica e Direito à Privacidade na Era da Informação: Uma abordagem hermenêutica filosófica. São Paulo- 2014. Disponível em: http://revistas.unaerp.br/paradigma/article/view/237/314. Acesso em 18 de Junho de 2020.

BRASIL. Constituição Federal. Brasília DF, 5 de out 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 09 de Junho de 2020.

BRASIL. Marco Civil da Internet. Brasília DF, 23 abril 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l12965.htm. Acesso em: 09 de junho de 2020

BRASIL .EMI Nº 00086 - MJ/MP/MCT/MC. Brasília- DF, 25 de Abril de 2011. Disponível em:http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Projetos/ExpMotiv/EMI/2011/86-MJ%20MP%20MCT%20MC.htm Acesso em: 03 de julho de 2020

CALDAS, Pedro Frederico. Vida privada, liberdade de imprensa e dano moral. São Paulo: Saraiva, 1997.

CORRÊA, Gustavo Testa. Aspectos jurídicos da internet. São Paulo: Saraiva, 2000.

DOTTI, René Ariel. Proteção da vida privada e liberdade de informação. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1980

ELER, Kalline Carvalho Gonçalves A releitura da privacidade: do “direito de ser deixado só” ao direito à autodeterminação informativa. Disponível em. https://journals.epistemopolis.org/tecnoysoc/article/view/1351/904 Acesso em 03 de Julho de 2020.

FACEBOOK (Estados Unidos). Política de dados. 2011. Disponível em: https://www.facebook.com/about/privacy/update. Acesso em: 21 de Junho de 2020

Ferraz Júnior, T. S. (1993). Sigilo de dados: o direito à privacidade e os limites à função fiscalizadora do Estado. Revista Da Faculdade De Direito, Universidade De São Paulo, 88, 439-459. Disponível em: de http://www.periodicos.usp.br/rfdusp/article/view/67231 Acesso em 12 de Junho de 2020

GUERRA, Sidney. Direito Fundamental À Intimidade, Vida Privada, Honra E Imagem. In: ENCONTRO PREPARATÓRIO DO CONPEDI/UNICAP, XV. 2006, Recife. Anais.... Manaus: Publica Direito, 2006. p. 1-14. Disponível em: http://www.publicadireito.com.br/conpedi/manaus/arquivos/anais/recife/direitos_fundam_sidney_guerra.pdf>. Acesso em: 01 de julho de 2020.

HIRATA Alessandro O Facebook e o direito à privacidade. Brasília- DF. 2014. Disponível em: https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/502950/001002775.pdf. Acesso em 21 de Junho de 2020.

ISHITANI, Lucila. Uma Arquitetura para Controle de Privacidade na Web. Belo Horizonte- MG- 2003. Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/bitstream/1843/SLBS-5WAJQ3/1/lucila_ishitani.pdf. Acesso em: 22 de Junho de 2020.

LEONARD, Marcel. Tutela e privacidade na Internet. Saraiva. São Paulo – SP. 2011

LUPION, Ricardo. O caso do sistema “creditscoring” do cadastro positivo. Revista da Ajuris v. 42. Porto Alegre- RS. 2015. Disponível em: http://ajuris.kinghost.net/OJS2/index.php/REVAJURIS/article/view/391/325. Acesso em 02 de Julho de 2020.

MATOS, Tiago Farina. Comércio de dados pessoais, privacidade e Internet. Revista de Doutrina da 4ª Região n.7. Porto Alegre – RS. 2005. Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/16049789.pdf. Acesso: 15 de Junho de 2020.

MENDES, Gilmar Ferreira, BRANCO, Paulo Gustavo Gonet. Curso de Direito Constitucional 9º edição. São Paulo-SP. Saraiva, 2014.

MORAES, Alexandre de Direitos humanos fundamentais: teoria geral, comentários aos arts. 1o a 5o da Constituição da República Federativa do Brasil, 8. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

MORAES, Alexandre de. Direito constitucional, 30º edição. São Paulo: Editora atlas S.A., 2014.

RECUERO, Raquel. Da Cunha. Redes Sociais na Internet: Considerações Iniciais. E-Compôs, . Disponível em: https://doi.org/10.30962/ec.28. Acesso em: 15 de Junho de 2020.

SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo, 32º edição, São Paulo: Malheiros Editores Ltda. 2019.




DOI: https://doi.org/10.21207/2675-0104.2020.1094

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista de Iniciação Científica e Extensão da Faculdade de Direito de Franca

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

http://www.abecbrasil.org.br

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Compartilha Igual 4.0 Internacional.