A VIOLAÇÃO GENERALIZADA E SISTÊMICA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS NO SISTEMA CARCERÁRIO BRASILEIRO E A ADPF 347

Letícia Cruz Alves de SOUSA, Marcelo TOFFANO

Resumo


Na óptica do princípio da dignidade humana, que é o axioma principal de todo o ordenamento jurídico e o eixo que orienta os demais direitos e garantias fundamentais de um Estado Democrático de Direito, a presente monografia tem a finalidade de expor o quadro de violação generalizada e sistêmica dos direitos fundamentais durante o cumprimento da pena privativa de liberdade, a configuração do Estado de Coisas Inconstitucional e a importante função da ADPF 347. No que concerne o sistema carcerário brasileiro, há que se apontar que a execução penal humanizada tem dupla destinação: punir de forma adequada o autor do ato ilícito e, principalmente, viabilizar sua reintegração social. Para isto, durante a execução da pena, deve o Poder Público assegurar a preservação de todos os direitos não atingidos pela sentença penal condenatória, observando-se as condições mínimas necessárias para a existência digna da pessoa humana. Porém, em contradição à lei brasileira, o regime prisional brasileiro estampa uma realidade inconstitucional de lesão a preceitos fundamentais, em decorrência de atos e omissões dos órgãos públicos, bem como a reiterada incapacidade de mudar tal conjuntura. Em razão disso, pela primeira vez no Brasil, o Supremo Tribunal Federal declara o ECI durante o julgamento da medida cautelar da ADPF 347, exigindo-se desta Corte Constitucional uma postura no sentido do ativismo judicial.


Palavras-chave


Sistema carcerário brasileiro, Direitos fundamentais, Dignidade da pessoa humana, Estado de coisas inconstitucional, ADPF 347

Texto completo:

PDF

Referências


BARROSO, Luís Roberto. O direito constitucional e a efetividade de suas normas: limites e possibilidades da Constituição brasileira. 3. ed. Rio de Janeiro: Renovar, 1996.

_________. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, Senado, 1988.

_________. Lei n.º 7.210 de 11 de julho de 1984. Institui a Lei de Execução Penal. Disponível em: . Acesso em: 18 fev. 2018.

_________. Supremo Tribunal Federal. Ação de Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental n.º 347. Rio de Janeiro, 26 de maio de 2015.

CAMPOS, Carlos Alexandre de Azevedo. Estado de coisas inconstitucional. Salvador: JusPodivm, 2016.

CONVENÇÃO AMERICANA SOBRE DIREITOS HUMANOS, 1969. Disponível em: . Acesso em: 17 jan. 2018.

CONVENÇÃO CONTRA A TORTURA E OUTROS TRATAMENTOS OU PENAS CRUÉIS, DESUMANOS E DEGRADANTES. Adotada em Assembleia-Geral das Nações Unidas. Nova York, 1984. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2018.

HERNÁNDEZ, Clara Inés Vargas. La Garatía de la dimensión objetiva de los derechos fundamentales y labor del juez constitucional colombiano em sede de acción de tutela: el llamado “estado de cosas inconstitucional”. Revista del Centro de Estudios Constitucionales Ano 1, nº 1, Universidad de Talca, Chile, 2003.

INFOPEN – Ministério Da Justiça – Levantamento nacional de informações penitenciárias – dados consolidados Junho/2016. Disponível em: . Acesso em: 08 jul. 2018.

MARMELSTEIN, George. Curso de direitos fundamentais. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2016.

Mirabete, Julio Fabrini. Execução Penal: Comentários à Lei 7.210, de 11-7-1984. 11. ed. Editora Atlas, São Paulo: 2004.

MIRANDA, Jorge. Manual de direito constitucional, tomo IV. 3. Ed. Coimbra: Coimbra, 2000.

PACTO INTERNACIONAL SOBRE DIREITOS CIVIS E POLÍTICOS. Adotado em Assembleia-Geral das Nações Unidas, 1966. Ratificado pelo Brasil em 24 de janeiro de 1992. Disponível em: . Acesso em: 13 mar. 2018.

SARLET, Ingo Wolfgang. A eficácia dos direitos fundamentais. 2. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2001.

VARGAS, Alexis Galiás de Souza; BASTOS, Celso Ribeiro. Argüição de descumprimento de preceito fundamental. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2000.




DOI: https://doi.org/10.21207/2675-0104.2018.779

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista de Iniciação Científica e Extensão da Faculdade de Direito de Franca

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

http://www.abecbrasil.org.br

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Compartilha Igual 4.0 Internacional.