A CRIAÇÃO DO VÍNCULO SOCIOAFETIVO COM O RECÉM-NASCIDO: AS DISPARIDADES ENTRE AS LICENÇAS OFERECIDAS AOS PAIS E A IMPORTÂNCIA DOS LAÇOS AFETIVOS

Felipe Queiroz TORRES

Resumo


O objetivo geral do presente trabalho é enaltecer a proteção à maternidade, ao analisar os institutos da licença-maternidade e paternidade, salientando a importância dos laços afetivos na vida do recém-nascido. O problema resumiu-se em apresentar a insuficiência dos institutos previstos na Constituição Federal, dando ênfase na disparidade dos prazos garantidos aos pais, o que acarreta no acúmulo dos cuidados da criança em somente um dos pais. O presente trabalho propõe-se a demonstrar a importância do afeto nas relações familiares, enfatizando a necessidade da presença de ambos os pais no início da vida de uma criança, sendo que para estabelecer vínculo afetivo familiar, é necessário a disposição de tempo, suprindo as necessidades físicas, mentais e emocionais do bebê. Faz-se uma análise do afeto e do desenvolvimento infantil na Psicanálise, tornando clara a importância do afeto no começo da vida de uma criança, sendo que a sua falta prejudica diretamente o desenvolvimento mental e emocional do recém-nascido. A proteção à maternidade deve ser sempre valorizada, sendo assim, amparado pelo Direito do Trabalho e pelo Direito de Família, faz-se necessário enaltecer os princípios da dignidade da pessoa humana e da afetividade, que valorizam à maternidade e a entidade familiar, garantindo ao recém-nascimento um tratamento justo e destacando a importância do afeto.

Palavras-chave


Licença-maternidade, Licença-patenidade, Afeto

Texto completo:

PDF

Referências


BACHUR, Tiago Faggioni; BACHUR, Tânia Faggioni. Licença maternidade e salário maternidade na teoria e na prática. Franca: Lemos e Cruz, 2011.

BARROS, A. M. Curso de direito do trabalho. 10. ed. São Paulo: LTr, 2016

BOWLBY, John. Formação e rompimento dos laços afetivos. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1990.

CALIL, L. E. S. Direito do trabalho da mulher: questão da igualdade jurídica ante a desigualdade fática. São Paulo: LTr, 2007.

DELGADO, Mauricio Godinho. Curso de direito do trabalho. 16. ed. São Paulo: LTr, 2017.

DIAS, Maria Berenice. Manual de direito das famílias. 9. ed. São Paulo: Revistas dos Tribunais, 2014.

DIAS, Maria Luiza. Vivendo em família: relações de afeto e conflito. São Paulo: Moderna, 1992.

MIRELLES, Hely Lopes. Direito administrativo brasileiro. 23. ed. São Paulo: Malheiros, 1998.

MUSIC, Granham. Afetos e emoções. Tradução: Carlos Mendes São Paulo: Segmento-duetto, 2005.

NASCIMENTO, A. M. Curso de direito do trabalho: história e teoria geral do direito do trabalho: relações individuais e coletivas do trabalho. 26. ed. São Paulo: Saraiva, 2011.

NOGUEIRA, Jacqueline Filgueras. A filiação que se constrói: o reconhecimento do afeto como valor jurídico. São Paulo: Memória Jurídica, 2001.

ROUDINSECO, Elisabeth; PLON, Michel. Dicionário de psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

SANTOS, Washington dos. Dicionário jurídico brasileiro. Belo Horizonte: Del Rey, 2001.

SARLET, Ingo Wolfgang; MARINONI, Luiz Guilherme; MITIDIERO, Daniel. Curso de direito constitucional. São Paulo: Revistas dos Tribunais, 2012.

TAMEN, Pedro. Vocabulário da psicanálise. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1983.

TARTUCE, Flávio. Direito civil: direito de família. 9. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2014.




DOI: https://doi.org/10.21207/2675-0104.2019.793

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista de Iniciação Científica e Extensão da Faculdade de Direito de Franca

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

http://www.abecbrasil.org.br

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Compartilha Igual 4.0 Internacional.